/ SolidWorks e as Dicas do Kastner: 2009

Sabendo de novidades do Blog via Outlook 2007

Postado por Guilherme Kastner Dia 23 de dezembro de 2009

image Senhores,

Hoje escrevi um procedimento interno para o pessoal da SKA acessar o blog de nosso gerente técnico quando vi que o mesmo poderia ser divulgado aos leitores do meu Blog. Como ler as novidades do blogueiro que aqui vos escreve através do Microsoft Outlook 2007?

Lembro que este procedimento não é válido para versões anteriores do aplicativo, Outlook Express ou Windows Live Mail… Portanto, já coloquei os pingos nos i’s.

Em primeiro lugar, vamos relembrar um post onde eu comentei o que era RSS e como utilizar o mesmo integrado com o Google Reader.

http://www.kastner.com.br/2009/07/google-reader-o-que-estou-lendo.html

O processo que vou explicar agora se baseia em pegar os endereços de RSS de postagens e comentários e cadastrar para receber os mesmos no Microsoft Outlook como se fosse um e-mail. Em primeiro lugar, seguem aqui abaixo os endereços de RSS para os dois itens:

Com os endereços disponíveis, poderemos acessar o Microsoft Outlook 2007 para cadastrar os endereços. No outlook, clique com o botão direito no ícone RSS Feeds e seleciona a opção “Adicionar Novo RSS Feed…”

image

Na janela seguinte, cole o endereço de RSS a ser cadastrado e clique em adicionar.

image

Na janela seguinte apenas confirme a inclusão do Feed clicando em “Sim”.

image 

Com isso, todas as postagens serão carregadas como mensagens na conta de Feed do outlook como demonstrado abaixo:

image

Não se assustem pois as postagens são importadas apenas com o título. Para verificar o post completo deve-se clicar na opção Exibir artigo dispoível na mensagem do feed.

Para acessar os comentários que a galera posta aqui no Blog, deve-se repetir o procedimento aqui descrito mas cadastrando o endereço de Feed para os comentários. Lembro que este procedimento pode ser utilizado para recebimento de vários outros tipos de coisas como:

  • Atualizações de vídeos em canais do You Tube
  • Notícias de portais
  • Novas fotos em albuns do Flickr.

Lembro que existem outros softwares para agregar conteúdo de RSS como:

  • Mozilla Thunderbird
  • Rss Bandit
  • Google Reader (já descrito no link acima)

Cada um dos softwares possui o seu proprio procedimento de inscrição em RSS.

Me coloco a disposição de todos para eventuais esclarecimentos.

Sds,
Kastner

[...]

Comtrafo – Cliente com DriveWorksXpress

Postado por Guilherme Kastner

image Senhores,

Sei que é um artigo mais comercial que técnico mas foi um cliente onde eu participei da implantação do DriveWorksXpress. O trabalho ficou tão bacana que a SKA viu o uso diferenciado da ferramenta e providenciou meios de divulgar a imprensa o uso do SolidWorks pelo seu cliente.

Segue abaixo o artigo e se surpreendam.

COMTRAFO automatiza o projeto de transformador tipo pedestal com o SolidWorks
Fabricante de transformadores reduz o tempo de projeto de uma semana para cerca de quatro horas, ganhando maior velocidade no atendimento das solicitações dos clientes.

Desde 1994, a Comtrafo (www.comtrafo.com.br) projeta, fabrica e comercializa transformadores de força e distribuição de energia para o mercado brasileiro e internacional. Localizada em Cornélio Procópio, Paraná, é usuária do SolidWorks desde novembro de 2008 e do DriveWorksXpress desde janeiro de 2009.

O DriveWorksXpress, ferramenta para automação de projetos do SolidWorks, auxiliou a Comtrafo a reduzir de uma semana para quatro horas o tempo de projeto do transformador tipo Pedestal (Pad-Mounted).

Raphael Minato – Supervisor de Engenharia da Comtrafo – fala sobre os ganhos de produtividade:

Tempo para configurar o projeto: três meses e duas semanas
“Durante este período, mais de 560 regras foram programadas, permitindo assim um grande número de variações do transformador tipo Pedestal.”

Tempo de projeto ANTES do SolidWorks e DriveWorksXpress: uma semana
”O projeto mecânico de um transformador elétrico possui infinitas possibilidades, conforme as necessidades do cliente naquele projeto e naquele momento. O tempo para o projeto mecânico de um transformador tipo Pedestal, de complexidade razoável e partindo-se da estaca zero, era de uma semana com uma ferramenta 2D. ”

Tempo de projeto DEPOIS, com SolidWorks e DriveWorksXpress: quatro horas
”Agora, leva-se em torno de vinte minutos para realizar o projeto através do DriveworksXpress e mais três ou quatro horas fazendo-se as adequações necessárias para atender a necessidade do cliente em um projeto de complexidade razoável. ”

Variações possíveis deste conjunto: 288 variações
”Quando se pergunta sobre variações, pode-se dizer que são infinitas, pois cada milímetro a mais ou a menos inserido nos dados de entrada gera um novo produto na saída. Mas, levando-se em conta apenas os padrões usuais, haveria 288 variações. ”

Como você descreve sua experiência usando o DriveWorksXpress?
”É uma ferramenta de fácil trabalho, que usa conceitos básicos de programação, possibilitando a automatização de muitas tarefas de projeto. Uma pessoa que conheça muito bem o produto a ser fabricado e os conceitos básicos de programação pode fazer ótimos trabalhos através dela. ”

Você compartilhou seu trabalho com colegas?
”Todo o trabalho realizado foi feito com o auxílio de nossa engenharia e voltado para as suas atuais necessidades.”

Você pretende incluir novos produtos e regras no futuro?
”Todos os dias surge uma nova ideia ou necessidade por parte do cliente, logo pretende-se sempre alimentar a automatização de forma a agilizar cada vez mais a fabricação de produtos.

Além do transformador tipo Pedestal, há ainda outros seis produtos que deseja-se automatizar.”

image

image

[...]

iPhone – Sonho de consumo do blogueiro

Postado por Guilherme Kastner Dia 22 de dezembro de 2009

image Senhores,

Estou abrindo o meu coração aqui com este post e compartilhando o que eu vejo no iphone e que tornam ele uma excelente ferramenta para blogueiros ou qualquer outro mortal. Por mais incrível que possa parecer, ele não é apenas um produto da mídia mas sim o melhor Smartphone que andei usando nos últimos meses. Lembro que andei usando alguns modelos de fabricantes conhecidos como o TREO e o PALM mas nenhum deles superou o iPhone 3GS.

O que está tornando essa ferramenta tão fantástica é a quantidade de aplicativos desenvolvida para ele. A primeira de todas que é muito fantástica é o próprio iTunes sobre o qual eu já escrevi aqui no Blog.

http://www.kastner.com.br/2009/11/itunes-musicas-gerenciadas-no-pc.html

Bem… Para se manter conectado na internet existem várias ferramentas bacanas e simples de serem instaladas como

image

O próprio Skype que possui uma vesão bacana para o iPhone.

eBuddie para se manter conectado ao MSN e outros comunicadores de mensagens instantâneas como o Google Talk e redes sociais como o Facebook.

image

Para a visualização de arquivos de SolidWorks e arquivos criados com o 3DVIA o mesmo possui uma versão mobile exclusiva para o iPhone. Vale a pena conferir pois tem muita gente usando este aplicativo que até rendeu muitos posts na internet.

http://www.3dmojo.com/2009/10/22/getting-your-cad-data-into-your-iphone/

http://www.solidsmack.com/3dvia-mobile-iphone-app-augemented-reality/2009-09-22/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+solidsmack+%28SolidSmack.com%29&utm_content=Google+Reader

O que me assustou mesmo foi essa imagem aqui abaixo que não é de um iphone mas sim um ipod Touch… Ferramentas similares mas que produzem o mesmo efeito final.

image 

Maiores detalhes poderão serem conferidos no link abaixo mas para entender o que se passa leiam o post e os comentários.

http://blog.cati.com/2009/09/solidworks-on-an-itouch.html

Para quem trabalha com a tecnologia Microsoft Exchange nos servidores de e-mail como a SKA, é legal contar com a integração que o iphone possui para com o mesmo conforme a imagem abaixo.

image

Para o meu blog, achei um aplicativo legal para fazer a escrita de posts em tempo real conforme disposto no link abaixo. Se trata de uma APP gratuita pra criar posts para o Blogger em que poderemos criar os textos e tirar fotos que já são incluídas automaticamente no POST do Blog e armazenadas no Picasa Web quando publicadas.

http://buzz.blogger.com/2009/09/theres-app-for-that.html

Testei o aplicativo ontem no iPhone do meu colega de trabalho e estou morrendo de inveja até agora pois não achei nada parecido para o N85 que estou usando. O meu objetivo é arrumar um iphone para levar a California e fazer os posts para o SolidWorks World.

São muitas coisas disponíveis para o iphone… Eu como bom gaucho não pude deixar de notar essa APP para cálculo do ingredientes para churrasco.

APP para ajudinha em churrasco

image

Bem… Tenho de sair… Chega de posts diferentes como esse

Sds,
Kastner

[...]

SolidWorks World 2010 – James Cameron

Postado por Guilherme Kastner

image Senhores,

Uma notícia correu a comunidade de SolidWorks no dia de ontem, o anúncio de James Cameron como o Key note Speaker no SolidWorks World 2010. Em primeiro lugar quem é James Cameron? Eu tive de confirmar essa notícia pra não escrever bobagem aqui no Blog… Portanto aqui vamos nós!

James Cameron é um famosíssimo diretor de cinema conhecido por trabalhos em filmes espetaculares como:

  • Titanic
  • O Segredo do Abismo
  • Avatar

Este último é o assunto do momento e confesso que estou louquíssimo pra assistir ele esta semana ainda. O filme promete muita coisa de efeitos especiais, a consolidação do cinema tridimensional, uma história intrigante, o último filme maluco e totalmente intrigante para a primeira década do novo milênio.

Confesso que este filme está parecendo um produto da mídia devido a larga divulgação que o mesmo está ganhando. Será que é tudo isso? Será que vale a pena? Até onde poderemos ter a certeza de que ele valerá a pena? Até agora o Avatar me parece o Twitter, ganhando divulgação e massificação da mídia para promover uma valorização do produto. Como o Twitter faria sucesso no Brasil sem uma divulgação intensa da mídia? Ok… Escrevo sobre isso amanhã.

Voltando a falar sobre o filme, coloco aqui abaixo algumas imagens que caracterizam o filme. O forte das mesmas é o apelo visual, a computação gráfica envolvida nelas.

image

image

image 

Vou comentar a descrição de como foram geradas as imagens do filme:

  • Cada ator trabalhava com vários sensores ligados ao corpo para realizar a captura de seus movimentos
  • Os movimentos capturados são levados aos computadores e pelos pontos os personagens são gerados
  • Ouvi falar que em algumas cenas, cada ator tinha uma câmera ligada ao seu corpo para a captura de movimentos do outro personagem com quem ele estava gravando. Com isso ângulos inéditos foram obtidos com a gravação das imagens do filme.

Tudo é comentário de terceiros… O que importa é que este é o assunto do momento e James Cameron é a celebridade em destaque no fim deste ano. Estarei vendo ele pessoalmente no começo do ano que vem na Califórnia no SolidWorks World.

O assunto que mais bomba no twitter é esse! Coloco aqui abaixo uma imagem que retirei do meu Tweetdeck hoje pela manhã.

image

Me coloco a disposição para demais esclarecimentos.

Sds,
Kastner

[...]

Padrão de preenchimento – Representação

Postado por Guilherme Kastner Dia 21 de dezembro de 2009

image Senhores,

Uma furação muito complexa ou uma peça cheia de furos acaba prejudicando o processamento do computador. Quanto mais furos maior a complexidade de processamento e maior será o tamanho do arquivo da peça.

Se a ideia é apenas representar a furação e a máquina conta com os recursos do RealView, poderemos utilizar uma representação de furação na peça. Não será um recurso de furação mas apenas uma aparência de RealView. Isso é uma funcionalidade que foi inserida no SolidWorks 2008.

Para testar essa funcionalidade, a sua placa gráfica deve suportar o RealView… Não vou responder a ninguém via comentários o que é o RealView e como ele é ativado. Apenas façam a averiguação pra ver se a sua placa de vídeo é homologada pela SolidWorks conforme o link abaixo

http://www.kastner.com.br/2009/01/placas-de-vdeo-hardware-solidworks.html

Para quem estiver afim de saber o que é o RealView, vale a pena conferir o post abaixo

http://www.kastner.com.br/2009/10/realview-vale-pena-conferir.html

Neste post, utilizarei uma peça simples de exemplo. um bloco de 1000 x 1000 x 10mm. Vou colocar ele aqui abaixo para download.

Com o arquivo aberto no SolidWorks conforme imagem abaixo, será necessária a navegação até a aparência de furação.

image

Observar que existe a aparência denominada “Representação de padrão de furos”. Arraste o a aparência sobre a face a ser perfurada. Com isso, será iniciado o Property Manager para a representação de padrão de preenchimento.

image

Com isso, algumas etapas serão necessárias:

image

Em primeiro lugar, será necessário definir a face a ser preenchida com o padrão de furos. Este recurso via realview não possui suporte a definição de afastamento de furos em relação a uma borda do modelo. Para tal, será necessário definir uma divisão de faces via divisão de faces. Coisa simples mas que necessita de um pequeno cuidado.

image

Para definição do layout da furação, existem menos opções via representação de padrão mas elas se mostram muito eficientes. Basicamente teremos de selecionar o layout de furos, o espaçamento entre as entidades, ângulo de posicionamento das entidades e direção da cópia. Quando necessitarmos um layout diferenciado para posicionarmos a furação deveremos utilizar o padrão de furos e abandonar a utilização da aparência via RealView.

image

Para tal operação de representação de furação será possível utilizar apenas alguns tipos de furos previamente existentes na biblioteca do comando. Observar que não poderemos selecionar um tipo de recurso para cópia diferente do que existe na biblioteca do software. selecionando o tipo de furo, basta definir altura do mesmo e averiguar o layout com o qual passaremos a contar disposto na chapa.

Confirmando a operação poderemos observar a disposição da furação conforme a imagem abaixo.

image

Observar que a peça ficará muito leve… A furação não será processada com as faces dos furos. Esse método traz algumas desvantagens para o processamento das informações. Entre elas:

  • A furação não estará disponível para dimensionamento no ambiente de desenho;
  • Os furos não serão descontados no cálculo de peso

Mas pra quem desejar ver uma peça perfurada em um conjunto complexo é algo que vale a pena. Lembro que agora na versão 2010 do SolidWorks estará disponível um ícone no Feature Manager para a edição do recurso de furação.

image

Coloco aqui para download o exemplo da peça perfurada com este recurso de padrão aplicado.

Sds,
Kastner

[...]

Selecionar Componentes Carregados – Abrir Montagem

Postado por Guilherme Kastner Dia 15 de dezembro de 2009

image Senhores,

Imaginem uma coisa, estamos com uma grande montagem para ser trabalhada e editada mas o trabalho é focado em uma determinada região do conjunto. Quanto mais componentes carregados na memória, mais lento o computador fica.

Poderemos contar com a abertura de componentes de forma seletiva. Como no exemplo da montagem abaixo. Seleciona-se o arquivo a ser aberto e aparecerão as opções para o carregamento de componentes.

Quando foi uma grande montagem, a opção “modo de grande montagem” estará habilitado mas a opção ideal para esta montagem deverá ser a opção “Visualização Rápida/Abrir Seletivo”.

image

Confira aqui destacada a opção de visualização rápida.

image

O que é a visualização rápida?

Lembro que todo arquivo de SolidWorks é composto de 3 tipos de informações:

  • A forma geométrica
  • A árvore de recursos
  • As propriedades de arquivos

Quando a opção Visualização Rápida é marcada apenas a forma geométrica do modelo é carregada e as outras informações são desconsideradas. Com isso, o modelo é exibido instantaneamente na tela.

A opção visualização rápida é um dos benefícios com os quais contamos pelo solidWorks conter arquivos grandes. Muita gente me questiona, porque o arquivo do SolidWorks é tão grande? A resposta é simples, para ganhar desempenho em processamento de informações rápidas.

Com isso, basta sair selecionando os componentes a serem carregados na memória por janela ou manter o Crtl pressionado para clicar sobre vários componentes. Após selecionar todos os componentes, basta clicar na opção Abrir na janela de seleção.

image

Com poucos componentes selecionados, a montagem é atualizada rapidamente assim como gerenciada facilmente.

image

O mais legal é que os componentes que permanecem visíveis continuam com os posicionamentos carregados. Coisa simples de ser manipulada.

Se eu esquecer de selecionar algum componente a ser modificado ou desejar selecionar outra entidade?

Caso esquecer de selecionar algum componente a ser carregado, poderemos fazer duas opções de trabalho.

  • Selecionar os componentes a serem visualizados na árvore e tornar os mesmos visíveis. No momento em que esta operação for executada, o componente será carregado na memória.
  • Para múltiplos componentes, é legal utilizar o comando “exibir componentes ocultos”.

image

Ao clicarmos sobre os componentes eles acabam sendo eliminados da seleção de componentes ocultos. Quando terminarmos de selecionar os componentes a serem carregados, basta selecionar a opção “Sair exibição de ocultos”.

image

Quanto mais componentes selecionados, maior será o tempo de carregamento dos arquivos. É extremamente importante apenas carregar o que é necessário para que a montagem tenha um desempenho tolerável.

Quando terminarmos as edições, poderemos tornar todos os componentes visíveis.

Sds,
Kastner

[...]

Extender e Aparar – Uso eficiente das ferramentas

Postado por Guilherme Kastner Dia 14 de dezembro de 2009

Senhores,

A ferramenta de aparar entidades do SolidWorks é muito boa e eficiente. Simples até demais. Queria compartilhar com os leitores uns truques básicos de funcionalidades da ferramenta.

Em primeiro lugar, deixo bem claro que o Aparar entidades não é para ser utilizado com o argumento de cortar linhas para realização de uma extrusão ou revolução pois estes comandos contam com poderosas ferramentas para seleção de contornos e regiões que serão aplicadas nos recursos. Quem deve se preocupar com o corte de linhas é para aplicar o esboço nas principalmene nas seguintes situações

  • Criação de corpos de soldagens
  • Criação de superfícies
  • Chapas metálicas
  • Comandos de curvas

De resto, temos como sobreviver sem aparar entidades de esboço… Se alguem se lembrar de outros recursos, comente neste Post.

Outra coisa, acho um absurdo a aplicação do aparar entidades de esboço no SolidWorks como se utilizássemos um Trim no Autocad. Quem observar o Property Manager do comando poderá observar que existem muitas opções de aplicação do comando.

image

Considero a opção “Aparar até o mais próximo” um retrocesso a utilização do corte de entidades no SolidWorks. Basta sair clicando que as linhas serão abertas… Mas imagine um esboço com muitas linhas a serem cortadas, como que seria isso?

image

Para agilizar o uso do SolidWorks, na  versão 2005 foi inserida a opção “Aparagem ativa” que no inglês é denominado como “Power Trim”. Quando eu ministrava treinamentos com o SolidWorks em inglês eu reforçava pra galera lembrar que o comando era Power mesmo… he he he he. Esse comando parece muito com o TRIM do AutoCad associado com a opção FENCE. Basta clicar em um ponto Inicial para o corte, o mesmo deverá ser próximo a entidade a ser cortada nas não sobre a mesma, manter o mouse pressionado e arrastar ele sobre as entidades a serem cortadas. A medida que o mouse for passando, ficará um rastro com as entidades que são cortadas.

image

Isso sim que é dinamismo.

\o/

Se fizermos a mesma operação de TRIM mantendo o Shift pressionado teremos a opção de extender as entidades. Dois comandos agrupados em um só.

Sds,
Kastner

[...]

Detalhamento de Componentes Virtuais – SolidWorks 2010

Postado por Guilherme Kastner Dia 8 de dezembro de 2009

Senhores,

Existia uma limitação muito irritante em componentes virtuais no SolidWorks. Eles não podiam serem detalhados em arquivos de desenho. Confiram como isso se resolveu com o SolidWorks 2010.

Em um exemplo que eu vou utilizar, vou demostrar uma tubulação já criada com o SolidWorks com o suplemento de Roteamento conforme imagem abaixo.

image

A tubulação está no arquivo de montagem salva internamente como componente virtual conforme descrito abaixo

image 

Ok, na versão 2009 e 2008 do SolidWorks eu teria de salvar os conjuntos de rota em arquivos externos para que os mesmos pudessem ser detalhados. Com a versão 2010 do SolidWorks a barreira do arquivo de modelo foi quebrada completamente.

Como eu detalho a montagem de rota?

Basta abrir a mesma em uma janela separada do conjunto completo. Observar que mesmo o arquivo estando em uma janela separada ele ainda permanece salvo internamente no arquivo do conjunto geral. Isso pode ser observado na nomenclatura do arquivo

image

A nomenclatura do arquivo segue o seguinte padrão:

Nome do componente virtual^Nome do arquivo de origem

Ok, com o componente em sua própria janela basta iniciarmos o arquivo de detalhamento. Com isso, na paleta de vistas estará disponível a seleção da montagem  na paleta de vistas, conforme descrito abaixo:

image

Após a seleção do componente virtual o SolidWorks nos colocará a disposição a seleção de suas vistas.

image

Com isso, é arrastar e soltar elas na tela e ser feliz

\o/

Queria que fizessem testes com essa funcionalidade para vermos como o SolidWorks se comporta com os componentes virtuais nos arquivos de detalhamento.

Vou deixar aqui a minha opinião sobre os detalhamentos de componentes virtuais

Os desenhos deveriam ser virtuais também. Deveria existir a possibilidade de armazenar o detalhamento internamente no arquivo de modelo. Com isso teríamos mais possibilidades de gerenciamento de informações.

Alguém tem uma opinião diferente da minha?

Fico no aguardo da informação de vocês.

Sds,
Kastner

[...]

Planificação de chapas revolucionadas – SolidWorks 2010

Postado por Guilherme Kastner Dia 7 de dezembro de 2009

Senhores,

Hoje eu tive mais uma vez que vestir as sandálias da humildade e aprender com o cliente um grande macete do SolidWorks 2010. Como obter medidas de raios em chapas cônicas na planificação?

Observar abaixo o método de construção da chapa com o Solidworks 2010. A primeira coisa é criar um esboço com uma linha de centro e uma linha inclinada sólida com medidas que caracterizem uma chapa cônica.

image 

Observar que no momento em que for feita a revolução da chapa metálica o Solidworks já marca a opção “Recurso Fino”. Para uma planificação da peça serão necessário pensar nos seguintes parâmetros

  • T1 – Espessura da chapa que está sendo criada;
  • ângulo – O ângulo deverá ser menor que 360° para que exista uma abertura que será utilizada como referência na planificação.

image

Com os parâmetros definidos, o corpo possuirá uma geometria de chapa metálica mas não possui características desse tipo de peça conforme ilustrado abaixo:

image

Para transformar a peça em chapa, será necessário utilizar o comando Inserir dobras

Nunca consigo utilizar o comando Converter em Chapa metálica para este tipo de peças. E vejo algumas vantagens do inserir dobras que posso explicar posteriormente.

image

Basta marcar uma das arestas da chapa que será utilizada como referência para a planificação da peça;

image

Eu adoro planificar a peça e criar um esboço para obter dimensões da planificação da peça a ser detalhada. A grande sacada da versão 2010 é podermos obter as dimensões de raio conforme descrito abaixo. Pelo que me lembre ele considerava esta entidade uma spline e não nos permitia a inserção de dimensões sobre a mesma. Mais uma pequena novidade que acabou auxiliando o nosso trabalho de detalhamento.

image

Com essas dimensões que agora poderemos inserir é possível fazer algumas coisas

  • Controle da planificação
  • Obtenção de dados automáticos em listas de materiais
  • Inserção de dimensões em vistas de arquivos de desenhos

Senhores, tomem alguns cuidados com a inserção de dobras em peças cônicas construídas por revolução:

  • Os recursos dobrar e desdobrar não funcionam
  • No SP0 da versão 2010 do SolidWorks, este método não pode ser integrado com a aplicação de múltiplos corpos. Não tentem… O resultado é desastroso e caso seja necessário misturar chapas cônicas em peças de múltiplos corpos utilizem o recurso dobras por loft.

Me coloco a disposição para demais esclarecimentos.

Sds,
Kastner

[...]

Importação de Autodesk Inventor – SolidWorks 2010

Postado por Guilherme Kastner Dia 2 de dezembro de 2009

Senhores,

Estava eu a ler o What’s New do SolidWorks 2010 a alguns dias quando me deparei com uma novidade bastante instigante, a possibilidade de importar arquivos do Inventos com os seus recursos. Vamos refletir mais sobre o assunto nesse post.

Olhem a imagem abaixa retirada do What’s New

image

Realmente fiquei chocado e achei a novidade muito boa…

Em resumo, se eu possuo o Inventor View instalado eu consigo abrir a geometria da peça sem os recursos. Se eu possuo o Inventor completo em minha máquina eu consigo reconhecer toda a árvore como ela realmente é e importá-la no SolidWorks.

Fiquei bem curioso mas eu não posso testar a possibilidade de testar a importação de peças do Inventor pois eu não possuo licença do mesmo. Não vou arrumar uma licença pirata par isso também, né? Assim, se alguem que lê o blog estiver afim de testar a novidade e compartilhar informações conosco, serei eternamente grato.

Essa funcionalidade parece muito similar ao que possuíamos no SolidWorks quando importávamos arquivos criados no Mechanical Desktop. Também necessitávamos da ferramenta de origem instalada para a reconstrução da árvore. Como essa ferramenta da AutoDesk foi completamente descontinuada, o suporte a impotação de arquivos deste tipo também foi.

Como eu possuo um pouco de experiência nestes softwares de tradução de recursos, quero confabular um pouco sobre as limitações que eu acho que os usuários poderão encontrar:

  • Chapas metálcas não serão importadas
  • Superfícies também não possuirão suporte
  • Peças com esboço compartilhado serão importadas como entidades separadas.

Tudo é chute… Alguem se habilita a me desafiar e responder o que encontrou?

Isso mostra como a SolidWorks está empenhada em buscar usuários que não estão totalmente satisferitos com a ferramenta de trabalho que utilizam atualmente. Como não é simplesmente decidir a troca de uma solução de desenho por outra, a desenvolvedora busca uma solução que incentive a busca por outra solução CAD.

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.

Eu não quero me pronunciar a favor a esta possibilidade, ainda não farei uma propaganda frenética pelo conversor. Se o resultado for frustrante estarei manchando o meu nome também. Quando testei a conversão de Mechanical, percebi que o sucesso de uma importação de recursos depende do método como o software de origem é utilizado. Testei o Elysium também e nele eu via que quanto mais arrojado o uso do inventor, menor era a qualidade de importação dos arquivos com recursos no SolidWorks. Lembro que o Elysium é um produto desenvilvido por uma empresa que trabalha somente com ferramenta de conversão entre sofrwares de Cad.

Senhores,

Me coloco a disposição para esclarecimentos.

Sds,

Kastner

[...]

Componentes Virtuais – SolidWorks 2010

Postado por Guilherme Kastner Dia 1 de dezembro de 2009

Senhores,

Quero continuar falando de SolidWorks 2010. A ideia hoje é focar em componentes virtuais, novidade inserida no SolidWorks 2008 mas que a cada ano vem sofrendo novidades interessantes.

Mas afinal para que serve componente virtual? A quem ele se aplica?

Componente virtual resgatou algo que a AutoDesk desenvolvia no Mechanical Desktop, a possibilidade de criar arquivos de conjuntos sem a necessidade de existiram arquivos das peças. Essa funcionalidade no SolidWorks nos trouxe algumas possibilidades muito interessantes:

  • Detalhar itens que necessitam serem inseridos em listas de materiais mas não possuem geometria tridimensional como tinta, software ou graxa
  • Criar peças exclusivas a montagem de um determinado equipamento.
  • Facilitar a vida de quem utilza modelagem em contexto
  • Criar blocos de layout e testar as respectivas peças sem a necessidade de salvar os componentes.

Essa funcionalidade foi tão bem assimilada pelo SolidWorks que na versão 2009, os componentes de routing passaram a serem inseridos como componentes virtuais. Imaginem que em versões antigas do produto, cada segmento de tubulação gerava um arquivo de peça… Isso parecia o fim do mundo mas se resolveu parcialmente, disse claramente que foi parcialmente, ok?

Vou colocar aqui os meus exemplos preferidos de modelagem em contexto em que eu utilizo componentes virtuais, modelagem em contexto de montagens. Meu tipo preferido de modelagem em contexto é a que é baseada em um esboço de layout como o descrito abaixo

image

Com isso, todas as peças para esta montagem foram orientadas por este conjunto conforme poderemos constatar na representação da árvore na imagem de conjunto que aqui está apresentada.

image

Observem que todas as peças possuem a indicação de modelagem em contexto. Com isso essas peças jamais poderão serem utilizadas em uma outra montagem pois elas estão vinculadas ao arquivo da montagem onde os arquivos foram gerados. Portanto, a aplicação de componentes virtuais acaba sendo uma certeza na correta aplicação de modelagem em contexto. Uma vez que routing é pura modelagem em contexto, a utilzação dele associada a componentes virtuais casa perfeitamente. Parabéns SolidWorks.

Tah, mas existiam problemas na aplicação de componentes virtuais que na minha humilde opinião eram vexatórios:

  • Componentes virtuais não podiam ser inseridos em arquivos de desenho. Eles, obrigatoriamente, tinham de ser salvos em arquivos separados das montagens para serem detalhados. Isso era uma vergonha.
  • Uma vez que os componentes virtuais possuíam relações em contexto com a montagem, a montagem não podia ser renomeada pois os arquivos de peça acabavam perdendo as relações. Isso era uma limitação tremenda.

Com essa útltima limitação, nada podia ser feito… Nada funcionava para reaproveitamento de arquivos. As peças ficavam atreladas ao nome do arquivo original e não tinha santo, reza ou macumba que resolvesse o problema. Isso me inibiu muitas vezes de apresentar a a aplicação de componentes virtuais. Eu explicava que para mudar o nome da montagem o cliente tinha de salvas as peças em arquivos externos… Chato, né?

Ok, fiquem tranquilos que com as novidades do SolidWorks 2010 os problemas descritos acima acabam sendo completamente resolvidos e ainda contamos com a possibilidade de gerenciarmos montagens com componentes virtuais no Workgroup PDM.

A SolidWorks trabalhou e aparentemente não existem mais limitações para a aplicação de componentes virtuais. Eu ainda não conferi se o DriveWorksXpress conta com suporte a esta funcionalidade… Sei que no SolidWorks 2009 era impossível disto ser aplicado.

Senhores,

Me coloco a disposição para eventuais esclarecimentos.

Sds,
Kastner

[...]

© Copyright SolidWorks e as Dicas do Kastner | Design por Paulo Estevão